“Só médicos podem receitar ervas, dizem especialistas em ioga e Ayurveda”

beca

Senhores Naturólogos

Escrevam seus comentários a respeito do artigo publicado hoje no site da uol. Afinal os senhores possuem um diploma reconhecido pelo Ministério da Educação no qual consta a Fitoterapia como parte da grade curricular de formação do Naturólogo.
A APANAT está aqui para divulgar, esclarecer e informar a população sobre a prática e os efeitos dos procedimentos e técnicas da Naturologia.

Participem dessa luta pela regulamentação da profissão escrevendo seus comentários.

Segue o link do artigo publicado.

artigo

9 ideias sobre ““Só médicos podem receitar ervas, dizem especialistas em ioga e Ayurveda”

  1. Caros amigos,

    Moro num sítio, e quase todos os dias descubro uma planta que não conheço. No meu quintal de 24.000 metros quadrados, uma “farmácia viva” manifesta-se, conforme o seu rítmo, suas leis, conforme as possibilidades oferecidas pelo meio onde está, enraizada na mãe terra, o reino vegetal (outros remédios !!) e elevando-se em cima dela para captar irradiações, energias e moléculas gazosas (como o nitrogênio por exemplo). Os gases são remédios excepcionais, descobertos por Rudolph Steiner no início do século 20.

    A mais fantástica farmácia está ao alcance de todos ! Por favor, fique a vontade.

    Os melhores fitoterapêutas (os indios) nunca ouviram falar de molécula nem de princípio ativo, a maioria dos grandes laboratórios mundiais já foram atraz deles para tentar arrancar alguns “segredos” …

    Pouco entendam que o “segredo” também está ao alcance de todos, basta afastar no primeiro lugar:

    - O apetite financeiro (hoje quase ningem interessa-se numa área sem colocar o seu objetivo financeiro em primeiro lugar)
    - Abandonar a intelectualidade arrogante e dogmática. Como médico, vocé sabe quase nada de realmente útil na área da fitoterapia !

    Caso conseguiu, pode continuar:

    - Comprar um bom livro de botânica e de fitoterapia brasileira (isto permitirá aproximar-se das plantas de maneira segura –> toxicidade)
    - Estudar e treinar-se a reconhecer, no meio natural, 10 plantas pelas quais você tem afinidade.
    Habitua-se a considerar a planta com uma fórmula vegetal complexa, capaz de cuidar, tratar um conjunto orgânico complexo (a planta regula, equilibra, nutre, a mesma planta tem ação anti “hiper” e anti “hipo”, o seu modo de atuação é “sistemico”, então holístico !
    - Aprende as diferentes formas de aproveitar e de valorizar o potencial terapêutico da suas 10 plantas. Observa sobre vocé mesmo o seus efeitos.

    Quer aprofundar o seu conhecimento ? Continua !

    - Informa-se sobre as leias terapêuticas e os modelos teóricos de raciocínios adequadas para uma prática coerente, segura e inteligente da fitoterapia: é comum procurar eliminar os sintomas com os princípios ativos das plantas. Isto é uma abordagem alopática aplicado à fitoterapia … não funciona !!!
    - Adquira uma visão clara de o que é uma causa, e um efeito. Não os confunda mais e procure a causa da causa do problema.

    Vocé está descobrindo o “segredo” ? Agora vai em frente !

    - Aumenta o seu conhecimento com mais 10 outras plantas encontradas na farmácia de Deus. Ele entrega tudo sem receita médica, legalmente, com generosidade.
    - Observando o modo de ação das plantas com humildade, curiosidade e vontade de conhecer você está, no mesmo tempo, cuidando da sua própria saúde com responsabilidade e eficácia, sem CRM nem CRF, em plena legalidade. Penso nisso … !
    - Caso você precise de um bom profissional, você tem agora alguns critérios para escolhê-lo.

    Só os peixes mortos deixam-se levar pela correnteza do rio …
    (Proverbio chinês)

    Atenciosamente,

    Jean Marc Duriaux, naturológo e homeopata suiço, APANAT n. 0048

  2. Esta foi a resposta que eu acabei de enviar ao site da UOL. É isso que temos que fazer. Ninguém sabe que existem Naturólogos!!!

    Beijos,
    Ale.

    Gostaria de notificar que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) possui uma lista de plantas medicinais que só podem ser prescritas por médicos (como Hypericum perforatum, por exemplo), e possui uma lista de plantas medicinais de livre dispensasão, que inclusive podem ser compradas em farmácias de manipulação ou naturais na forma de droga seca. Essas plantas podem ser indicadas (veja bem, indicadas, não prescritas) por vários tipos de terapeutas não médicos. Inclusive há o curso de Naturologia da Universidade Anhembi Morumbi que vêm há alguns anos formando profissionais habilitados a utilizar vários tipos de terapias complementares e inclusive a Fitoterapia, seguindo a lista liberada pela ANVISA. A Universidade Anhembi Morumbi formou também duas turmas de profissionais Consultores em Fitoterapia, habilitados a trabalhar com as plantas medicinais.
    Me coloco à disposição para qualquer esclarecimento necessário.

    Alexandre Portaro Tzermias – Naturólogo
    (11) 2533-3316
    (11) 8405-2753
    wazuprasta@hotmail.com
    alexandre.tzermias@duraflex.com.br

  3. Isso ae Alexandre!
    Eu ia justamente perguntar agora… “Será que eles conhecem o Naturólogo!?”

    Eu vejo a medicina abarcar pra eles a Acupuntura e nem 5% dos médicos usarem este recurso, e os que usam o fazem de forma vulgar. Raros deles apreciam a filosofia que envolve a acupuntura, mas somente a ciência que os permite embasar seu uso e mais nada.

    Se só os médicos pudessem receitar plantas medicinais, teríamos que dizer Adeus à cultura da medicina popular que é a verdadeira manifestante do uso de tais plantas, teríamos ainda que depreciar nossas avós, tios e tias que nos receitam “remédios” sem serem formados quando estamos com uma dorzinha de barriga e cólica…

    Enfim, a medicina moderna deveria se preocupar mais com o que ela realmente usa do que aquilo que ela jamais vai usar.

  4. O que tem acontecido é que os médicos estão percebendo cada vez mais que a medicina oriental vai atrás da causa e não somente do efeitos e acaba se tornando muito mais eficiente do que o tradicional tratamento dado pela medicina ocidental.
    Há muito tempo os médicos tentam colocar como uma especialidade deles! E muitos desses médicos esquecem que aprenderam a acupuntura, a fitoterapia e tantos outros tratamentos com os terapeutas! Que ironia essa, não?

  5. A luta apenas começou, colegas. Cabe a nós Naturólogos demonstrar que o nosso trabalho é sério, e que nenhuma lei nos impede a indicação de plantas seguras. Muitos médicos estão cada vez mais fascinados pelo lado pop das culturas orientais e, numa atitude egoísta, querem a exclusividade sobre as técnicas dessas medicinas tradicionais. A Ayurveda tem, por exemplo, algumas formas de desintoxicação bastante importantes: cabe ao conhecimento e preparo de cada um aplicá-las. Não é de meu conhecimento que, na India, o médico ayurveda tenha um diploma em medicina ocidental. Portanto, mais uma vez, essa reivindicação fica como bem típica dos médicos ocidentais. Enfim, que cada um fique firme com suas competências e postura profissional: nós estamos apenas começando a ganhar esta última perante o público.
    Abraços.

  6. Olá amigos Naturólogos,

    Eu acabei de ler o artigo e acho que o clínico geral Aderson Moreira da Rocha tem razão. Pelo menos foi como aprendi na faculdade. Meu professor de Ayurveda dizia a mesma coisa com relação à fitoterápicos tidos como “invasivos”. Eu não me arriscaria indicar uma erva ou lavagem intestinal para um paciente meu. Temos que ser prudentes para não perdemos nossa credibilidade.
    Adorei o e-mail que o Alexandre enviou para o site da UOL. É exatamente isso. Temos que respeitar as normas da ANVISA, para que possamos também ser respeitados.

  7. NO PASSADO, QUANDO AS PRATICAS ALTERNATIVAS ERAM POUCO CONHECIDAS OS QUE PRATICAVAM ERA IGNORADOS E ATÉ CRITICADOS POR SEREM TÉCNICAS TIDAS COMO SUPERTICIOSAS, ETC.
    O TEMPO PASSOU E A OMS INDICOU SEU USO PARA NAÇÕES DE FORMA GERAL E ESTAS PRÁTICAS DEIXARAM DE SER TÃO ALTERNATIVAS E AOS POUCOS FORAM SENDO INCORPORADAS PELA PRÁTICA LEGAL DAQUELES QUE A PRIORI AS IGNORAVAM, NO CASO A CLASSE MEDICA OFICIAL, COMO É CASO DA ACUNPUNTURA .
    OU SEJA AOS POUCOS ELES VÃO INCORPORANDO NOVAS TECNICAS DE CERTA FORMA FECHANDO O LEQUE DA NOSSA PROFISSÃO COMO NO CASO DA LISTA DA ANVISA. HOJE TEM UM NUMERO X DE PLANTAS QUE JA NÃO PODEMOS INDICAR A TENDÊNCIA É QUE ESTA LISTA AUMENTE. UMA PERGUNTA FICA LATENTE E PARA NÓS O QUE SOBRARÁ PARA INDICARMOS AOS NOSSOS CLIENTES?
    ENQUANTO NÃO FOR REGULAMENTA A NOSSA PROFISSÃO E ESTABELECIDOS CRITÉRIOS CLAROS E DEFINIDOS VIVEREMOS NESTE CONSTANTE PARADIGMA E DE CERTA FORMA INSEGUROS DIANTE DE QUALQUER NOTICIA.
    VEJO QUE RESPOSTA PARA AQUELES QUE CAMINHAM POR ESTE CAMPO MINADO É UNIÃO E BUSCA POR DIREITOS GARATIDOS POR LEI ATRAVÉS DA REGULAMENTAÇÃO.

    FORTE ABRAÇO A TODOS E GARRA…

  8. Parabéns Ale, adorei seu email!

    Aos poucos o Naturólogo vai se destacando no mercado, de uma maneira ética, com consciência e muita prudência e assim, vamos conquistando nosso espaço!!

    Força e garra!

    abraços

  9. Amigos,

    Conheci hoje o blog da APANAT e gostei muito da discussão. Realmente as autoridades na área da saúde pretendem evitar a perda gradual do mercado de pacientes. Por isso agem de forma autoritária tentando proibir, proibir, proibir. A medicina popular existe há mais de 5000 anos. As civilizações antigas descobriram inúmeras plantas medicinais ativas e estabeleceram posologias adequadas de tratamento de doenças ao longo do tempo. Souberam inclusive distinguir as plantas tóxicas. Esta conhecimento ancestral está sendo agora contestado e estão tentando estabelecer uma reserva de mercado apenas para médicos. Entretanto sabemos pelas inúmeras pesquisas fitoquímicas e fitofarmacológicas, que quase sempre os ensaios contemporâneas confirmam todas as práticas populares, indígenas, nativas e também de nossas avós e bisavós, e tetravós, e assim sucessivamente. Portanto trata-se apenas de lutarmos para que existam bons cursos de formação de fitoterapeutas no Brasil! E não é necessário estudar uma faculdade de medicina alopática para isso. Se desejo ser fitoterapeuta, para que estudar os medicamentos alopáticos de origem sintéticos, altamente perigosos, tóxicos, e iatrogênicos, que vem causando mais doença do que saúde. Pensem nisso.

    Saudações fitoterápicas

    Prof. Douglas Carrara

Deixe uma resposta