Apanat - Associação Paulista de Naturologia

(esqueci a senha) (cadastre-se)
página inicial

Blog - A ARTE DO CUIDAR

 

Por Henry Mori

 

Umas das atividades que estão em nossos mais simplórios pensamentos é o cuidado para consigo e para com outro, é uma questão de instinto quando se trata só para si, e uma questão de humanidade para com o outro.

O cuidado é uma questão transmitida desde nossos antepassados primatas, ou melhor falando, seja uma questão de sobrevivência da própria vida. Essa questão é tão importante em nossas vidas; do que seriamos da gente se não houvesse alguém em nossas vidas para que nos alimentar ou trocar nossas fraldas quando bebes?

Claro que o cuidado se entende por vários sentidos e foi atribuído a diversas pessoas durante toda historia, vou os conduzir a uma pequena viagem a história tentando esclarecer os diversos pontos de vistas de cada período, desde já peço desculpas por ser apenas um apanhado geral e um tanto quanto pessoal a interpretação, mas espero os ajude a entender tão fascinante arte.

Provavelmente os primeiros passos do cuidado seja realmente vindo da função instintiva de preservação da espécie vinda de outros animais, ancestrais ao homo sapiens. Talvez o cuidado com a ferida do outro começou, realmente, sobre a disputa pela própria comida (caça) ou pelo território, ainda aqui a ferida devia ser puramente física e o cuidado possivelmente começou com uma lambida, hoje sabemos que lamber é um tratamento que pode infeccionar, porém para um grupo que nem sabe que lavar em água corrente e estancar o sangue, lamber é uma técnica muito útil já que as enzimas da saliva poderiam estancar o sangue e retirar alguns dejetos ou resto de material estranho.

Aqui ainda não somos homo sapiens ainda somos a espécie que dará origem ao que somos hoje. Nesta época o grupo começou a ser formado, e com isso uma certa homogenização, porém em todo o processo de agrupamento alguém começa a se diferenciar dos outros, esse indivíduo estranhamente sonha e tem um senso de premonição de onde está a caça, a esse indivíduo em cada grupo tem um nome diferente, mas vou chamar de xamã. O xamã tem aqui uma função de predizer onde esta a caça, mas com o tempo passa a não apenas a falar aonde está, mas a tentar com que a caça volte a povoar a região para alimenta-los, assim começa a surgir a questão de um outro mundo onde os animais vão depois da morte e o xamã precisa convencer a esse animal a voltar. Com isso existe os primeiros passos da questão do mundo espiritual, e com isso a criação de histórias para explicar o mundo e de como começou, devemos lembrar que muitos dos xamãs utilizavam ervas como a bela dona, outros tinham como o sonho o guia chefe.

O xamã tem um papel de destaque em toda as tribos, ainda hoje fazemos isso, só que agora eles têm outros nomes. Mas também através dos sonhos eles começam a ter uma profunda identidade com a natureza provavelmente começam a identificar as ervas e a observar como uma cicatriz pode ser curada de maneira mais rápida com alguns procedimentos especiais, e como é o indivíduo que dialoga com o mundo espiritual tem a função de interprete sobre os diversos acontecimentos do grupo. Aqui começasse o conceito que a saúde só vem de uma harmonia com o cosmo ou o mundo espiritual e a realidade. Existe o princípio que a doença é um mal que provem de outro lugar, um lugar que só o xamã tem acesso, começasse as especulações.

Tempos mais tarde, existe o amadurecimento de todas as ideias, agora começam as histórias a tomarem novos rumos não é apenas o mundo espiritual, mas a mitologia surgi. Deuses povoam esse mundo e as desgraças ocorrem a seus bel-prazeres, templos são erguidos aos seus nomes para oferendar sacrifícios para obter suas graças ou apenas para acalma-los. Agora o xamã passa a chamar sacerdote.

Provavelmente aqui surgem as principais escolas tradicionais de conhecimento yin-yang, 5 elementos para os orientais, e 4 humores e 4 elementos para os ocidentais.

Aqui quero focar que começam a existir templos especializados em cura, como o de Esculápio, porém é no templo de seu pai, Apolo, haverá a grande guinada do pensamento da saúde, “Conhece a ti mesmo”, porém essa frase não é completa, ela tem uma continuação[1] “e conhecerás os Deuses e o Universo”, com essa frase começasse a pensar que a doença não apenas vem do mundo espiritual, mas do mundo interno da pessoal, o mundo do pensamento surgi. A doença aqui passa a ser um problema que o sacerdote não o responde mais, a resposta passa a ser do próprio buscador de equilíbrio, a cura vem de si mesmo.

Sócrates e Aristóteles começam a dar as suas primeiras mudanças no mundo, porém como tudo que se é criado um dia pode ficar maior que o esperado. Quero marcar aqui um ponto que só aparecerá mais de dois milênios depois, mas o princípio se dará aqui, esses dois celebres pensadores começaram a pensar num mundo do ideal que seria o do pensamento que levou a filosofia a ciência magma durante muitos séculos, mas como uma faca de dois gumes. Agora passamos a ter pelo menos três mundos a realidade, espiritual e pensamento.

Voamos mais uma vez na história agora chegamos no advento cristão, aqui ocorre uma outra revolução a força da fé como instrumento de cura da enfermidade, agora uma nova figura surge além de Deus, o santo, um posto acima do sacerdote mais intimo da pessoa através das orações de apelos. Aqui Deus com sua justiça divina dá ou retira a saúde. O corpo torna mais sagrado do que nunca, pois é a morada do Espirito Santo; bem e mal são duramente estabelecidos. Com o cristianismo vem o primeiro passo de uma futura enfermidade, mas ainda serve aqui como remédio, ao se morrer se em Cristo poderemos ir ao Céu, o paraíso, o primeiro passo rumo ao ideal da utopia.

Com esse advento qualquer princípio de cura através de ervas ou ritos que não seja cristão é considerado heresia, ou, ato de bruxaria, a cura se dá através da reza e suplica aos santos que são nossos intercessores perante Deus. Neste mesmo período, a Santíssima Trindade substitui os numerosos deuses que representam as diversas forças da natureza ou aspectos da vida. O homem passa a ser sagrado e egocêntrico, a Terra é o centro de tudo. Pouco a pouco desvinculamos Deus da força da natureza e a humanidade viu Deus como o Pai, ora rígido e justiceiro ora piedoso e bondoso.

Alguns séculos depois o labor passa a ser mais importante do que o fé, surge um período onde pensamos estar saindo das trevas. O iluminismo chega, a razão tenta prevalecer sobre a religiosidade. Agora o corpo pode ser violado, estudado e dissecado. Surgem os estudos e experiências, tentamos estabelecer os princípios fundamentais do universo e com nossa prepotência pensávamos ter uma linguagem em comum com a de Deus, a matemática. A essa revolução chamamos de ciência.

Ganhamos aqui em estudos sobre o corpo, anatomia pode ser estudada, podemos ver o corpo, não como templo de Deus, mas uma maquina a serviço da sociedade. Ervas e poções passam a ser analisados recebendo outros nomes, remédios, território da farmácia. Ganhamos no estudo da saúde de massa e começamos a ter verdadeira noção do valor da higiene, a epidemiologia nasce. A saúde passa a ser o domínio dos médicos, agora sem a veneração ao mundo espiritual. Vemos o nascimento de varias formas de pesquisar e aumentar o conhecimento. Mas tudo fundamentado no olhar objetivo, não mais existe a mãe natureza, mas uma amante chamada natureza que passamos a violar, observar e explorar. Infelizmente perdemos a nós mesmo em vez de substituirmos a geocentrismo para o sol-centrismo, Deus é substituído pelo conhecimento cientifico, agora perdemos o imponderável grande para uma realidade mensurável e totalmente previsível, de vários mundos para explorar numa realidade vertical de possibilidade o homem passa a ter apenas o olhar horizontal da realidade. Perdemos nossos sonhos.

Na falta de esperança da sociedade começamos a sonhar sociedades perfeitas a utopia chega a mente dos pensadores, perdemos um mundo da realidade para tentarmos criar com as ferramentas da ciência um mundo com mais ideais através do conhecimento, muitos morreram por esse sonho, porem o verdadeiro resultado só veremos alguns séculos depois.

No século XX, quando pensávamos que poderíamos definitivamente estabelecer todos os princípios da realidade objetiva uma estranha experiência que teve um resultado controverso, deu uma nova luz a realidade fria e dura da objetividade, a mecânica quântica nasce. E com ela uma onda de novas possibilidades tão grande que na mesma época se dá as grandes guerras mundiais, realidade e mundo dos pensamentos se chocam para criar novas possibilidades.

A grande possibilidade que ela nos deu é a possibilidade de dois mundos de realidade, no mínimo, o extremamente grande governado pelas leis da física clássica e do extremamente pequeno governado pela física quântica. Agora a possibilidade de novos mundos volta a existir e a realidade novamente tornasse vertical de possibilidades. O homem volta a sonhar.

Porém as utopias já estavam criadas e assim como Atlas que ao dar o fogo aos homem teve de punição carregar o mundo, aquele que sonhou um mundo perfeito na Terra precisa carregar tão grande peso, de viver uma realidade imperfeita num sonho perfeito, começa a depressão por sonhar alcançar as estrelas.

No meio de um mundo imperfeito onde cada vez mais temos que nos ver com a realidade que criamos, por apenas manipular o mundo a nosso bel prazer e não nos importar com as consequências futuras vemos um mundo em degradação. Alguns românticos vendo uma possível saída romperam com os grilhões que os prendiam ao passado, no Brasil, mais especificamente na área da saúde foi criada a Naturologia.

A Naturologia busca compreensão das diversas imagens, símbolos e arquétipos do homem a fim de aumentar o bem-estar não só do paciente que a procura, mas também da comunidade em que está inserido. Não se pretende tratar a doença na Naturologia, aumentamos a compreensão do homem auxiliando na busca do equilíbrio entre mente, corpo, espírito, vida social e emocional.

A Naturologia não se propõe a delimitar as doenças e agir de forma a extrair a qualquer custo da vida do indivíduo. Ao contrário, busca se a conexão entre o agente causador da doença e a enfermidade; e se tenta modificar ou delimitar o “mal”, pois sabemos que certos vícios do homem são necessários para a sobrevivência do mesmo.

A Naturologia não pretende ser apenas uma ciência, mas um modus operandi, que tenta conciliar a vida nos centros urbanos com a natureza buscando o alívio das tensões presentes no dia-a-dia com métodos “naturais”.

Se me permitem conduzi-los não do passado ao presente, mas agora do presente ao futuro, quero compartilhar com todos quais os possíveis caminhos que podemos chegar não como apenas profissionais, mas pessoas vivendo seu sonho na realidade.

Antes de falar das possibilidades gostaria de contar duas historias orientais, quero compartilhar com todos como tento explorar o mundo do conhecimento para que possam entender meus pontos de vista no horizonte do mundo.

Havia um grupo de pessoas que buscavam os aprendizados espirituais constituído por doze indivíduos, eles rodaram o mundo na exploração e amplificação do conhecimento nesta área, já tinham passados por muitos mestres até que finalmente conseguiram encontrar um mestre iluminado que falavam ser o mais sábio e elevado homem presente na Terra, era evidente que era muito difícil o encontro, uma sessão com tal honorável pessoa era uma missão quase impossível, mas por uma felicidade do destino conseguiram marcar.

O encontro se deu em seu templo no alto de uma montanha às seis da manhã, eles entraram na sala e se sentaram no chão. O mestre estava meditando e logo abriu os olhos e falou:

Ouvi dizer que querem se tornar meus discípulos, posso aceita-los como tal, porém para aceitar precisam fazer uma escolha. Meus ensinamentos são diversos dos outros mestres, por isso para serem meus aprendizes precisam deixar todo o ensinamento dos outros mestres que vocês passaram, aceitam? (sem deixar responde-los) Só aceitarei a resposta amanhã neste mesmo hora, vão e descansem.

O grupo voltou a cidade na encosta da montanha e cada um foi para seu quarto meditar sobre a resposta e na manhã seguinte todos estavam novamente presente no encontro. Vendo o mestre cada um do grupo perguntou a todos:

Vocês descansaram e pensaram sobre a pergunta, agora quero saber sobre a resposta, quem deixará o conhecimento dos outros mestres para trás para a partir de hoje ficarem aqui e aprenderem sobre minhas técnicas?

Ao ouvir a pergunta onze pessoas levaram a mão, tristemente o mestre falou:

-                   Aos que levaram a mão ponham se fora de meu templo, pois assim como deixam os ensinamentos dos seus antigos mestres para trás quando chegar a outro mestre vocês também jogarão meus ensinamentos fora.

 

A segunda história se dá com um grande pesquisador sobre culturas, era um ocidental que queria entender os costumes e tradições orientais, este foi aceito a ser discípulo de um mestre zen, um noite antes de suas aulas o mestre o convidou a um encontro para tomar chá. Como pesquisador estava muito ansioso para o encontro chegou com uma pontualidade britânica ao encontro com o

 mestre, os dois se sentaram um na frente do outro numa mesa, nesta havia duas xícaras e um bule com chá quente. Mal chegou o pesquisador começou a perguntar sobre o treinamento e cultura oriental. Vendo aquilo o mestre começou a colocar o chá para o seu convidado e mesmo transbordando a xícara continuou a colocar mais e mais o chá, cada vez mais, o pesquisador ocidental vendo aquilo acontecer esperou um pouco, mas quando viu que a situação começou a demorar demais falou ao mestre:

Mestre, não vê que a xícara esta cheia? Por que continua a colocar chá?

O mestre calmamente respondeu:

Essa xícara é como esta o estado de sua mente, já esta cheia de conceitos e opiniões já formada, não há mais espaço, precisa-se esvaziar o copo para poder aprender.

Assim vejo o conhecimento, a diversidade dos pensamentos são importantes e dão o colorido ao mundo do conhecer, devemos valorizar o que já sabemos, ter espaço para aprendermos coisas novas e saber modificar nossa realidade.

O futuro da Naturologia deve ser uma expansão de conhecimentos livres das amarras do pré-conceitos (assim mesmo) e sabermos valorizar todos os antigos conhecimentos já vistos pelo homem e sabermos revalorizar o presente.

Vejo que a palavra de ordem hoje seja integração, com cada vez mais especializações cada vez mais segmentamos mais nossas vidas e não conseguimos mais montar todas as peças depois, segmentar é importante para estudar em profundidade, porém segmentamos tanto esquecemos de encaixar de volta. Esquecemos de a União traz a força e ganhasse a força do conjunto.

Nossa missão talvez seja a integração do passado, presente e futuro; da ciência, fé e crenças; ocidente e oriente; tecnologia e tradição; mente, corpo, espírito, vida social e emocional; individualidade e sociedade.

Falam que o fim do mundo se dará em 2012, porém acredito que na verdade seja uma nova era, hoje finalmente estamos criado um senso de união em prol do planeta, acredito que pela primeira vez entendemos a grandeza do universo e podemos nos ver como um ser pequeno, mas precisamos lembrar da revolução do cristianismo e também vermos que Cristo esta em nós, somos pequenos deuses (o sagrado esta em nós, pois tudo quanto Deus criou é sagrado por essência), quando percebermos esses dois valores e integramos em nós poderemos estar prontos para mais uma revolução, a utopia não mais deprimirá o homem como um fim nunca alcançado. Mas que finalmente depois de 2 milênios o paraíso chega não como uma descida dos Céus, mas como uma reconstrução dos hábitos do homem. Não veremos mais a horizontalidade da paisagem, mas a verticalidade dos sonhos se tornando realidade, o sonho não acabou esta apenas começando a se tornar realidade. A Naturologia não deve apenas fazer parte, mas servir como agente integrador dessa realidade, a isso espero que todos participemos junto.



[1]             Existem discordâncias da tradução da frase e da real continuação.

 
 

Comentários

Vanessa em 20/07/2010 às 11:33 (web site)

Lindo Henry...

Parabéns!!!

Desde os tempos da faculdade admiro muito seus estudos e a forma como vc se dedica!

;)

Adriana Magno em 09/08/2010 às 12:03

muito bom! Parabéns!

Suely em 09/08/2010 às 15:24

Henry

Admiro o seu empenho e dedicação. Você é muito querido e me surpreende a cada dia. Parabéns!

Envie seu comentário


 

2009 Apanat - Todos os direitos reservados

Desenvolvido pela S3Web